15 Agosto, 2018

webmail

Comissão de Mérito analisará Plano de Saneamento elaborado no governo passado

comisso_de_mrito_640.jpg 

Comissão de Mérito analisará Plano de Saneamento elaborado no governo passado

Mediante solicitação aprovada em plenário do vereador Leandro Balardin, a Comissão de Mérito reuniu-se esta tarde (9) com o ex-secretário de obras do governo Marlon e, à época, ex-interventor da Corsan, Hélio Mercadante, para colher mais informações a respeito dos serviços da estatal no município.

O projeto de lei encaminhado pelo Executivo para renovação do contrato de abastecimento de água e esgotamento sanitário com a Corsan, que atualmente tramita na Casa, na concepção de Mercadante, não é o mais vantajoso para Cachoeira do Sul, pois fica aquém do que fora previsto no Plano de Saneamento desenvolvido, ainda, durante o governo Marlon.

Mercadante disponibilizou cópias do estudo feito na época, o qual aponta que em cima dos valores arrecadados e demonstrados pela Corsan, é possível se fazer investimentos bem maiores do que prevê o projeto de lei encaminhado pela Prefeitura. "Sugiro que vocês vereadores, antes de tomarem uma decisão, analisem a fundo este Plano de Saneamento, pois se trata de um estudo aprofundado, didático e de fácil compreensão, o qual demonstra com clareza que a cobertura total de abastecimento de água e esgoto da cidade pode ser executada com recursos próprios, tamanha é a lucratividade destes serviços. No meu entendimento, o ideal é que se tente novamente contratar uma empresa terceirizada apenas para operar o sistema já existente, e ir depositando o lucro excedente num fundo, administrado exclusivamente pelo município, que servirá para atender às demandas a serem definidas pela comunidade. Com isto, será possível ter-se uma radiografia real do balancete da Estatal, para depois poder licitar o serviço, com uma noção mais segura em termos de valores", analisou Mercadante.

LUCRO - O Plano de Saneamento Básico apresentado por Mercadante prevê, que a partir dos recursos do fundo, seria possível já no segundo ano cobrir 100% da cidade com abastecimento de água, no sexto ano 100% de cinco distritos do interior, e 100% de esgotamento sanitário ao longo de 20 anos. Mercadante estima que a Corsan deva lucrar em torno de R$ 10 milhões por ano em Cachoeira do Sul, e que para uma cidade carente de investimentos como Cachoeira do Sul, este dinheiro poderia ser investido diretamente em melhorias nos serviços.

TARIFAS - O vereador Oscar Sartório, questionou Mercadante se, a partir dos dados levantados, haveria a possibilidade da tarifa ser reduzida com a saída da Corsan, pois acredita que este seja o maior anseio da população. Hélio Mercadante afirmou que existe esta possibilidade, mas entende que primeiro a Prefeitura deveria assumir a administração do fundo por, pelo menos, um ano para conhecer o lucro real dos serviços. Sartório, que é o presidente da Comissão de Mérito, disse que irá analisar o estudo apresentado por Mercadante, e pediu que todos os vereadores recebam cópias do levantamento, mas que, só tomará uma decisão definitiva, depois de sopesar todas as vantagens e desvantagens para a coletividade, pois a água é um patrimônio público, cujos verdadeiros donos são os cachoeirenses. A propósito, Sartório resolveu encaminhar pedido de informações à Corsan, para obter cópia dos balancetes, referentes a todas as receitas e despesas do ano de 2010 e do primeiro semestre de 2011.